Itajaí - Centro
47 3045-5200

SAIBA MAIS / Rotina do Kids

Um dia numa sala de aula do Unificado Kids

 


“A rotina de uma sala de aula deve seguir um ritual que dê subsídios à criança para prever a sequência de trabalho.” (Proença, 2004)


 


INÍCIO DA ROTINA


Para começar as atividades da rotina diária, a regente solicita às crianças que se sentem em roda na frente da sala.


Então, a regente realiza, com as crianças, sequencialmente: escolha do ajudante do dia, preenchimento da linha do tempo, chamada dos alunos, contagem do grupo, verificação das condições climáticas e organização do planejamento diário.


A escolha do ajudante do dia se dá através de alguma dinâmica — sequência alfabética (Alberto, Beatriz, Carolina, Eduardo...), sorteio (o ajudante do dia anterior sorteia o ajudante do dia) ou brincadeiras (quem acertar uma adivinha ou uma mímica). Cabe ao ajudante do dia auxiliar a regente nas atividades da rotina diária. Esta atividade visa ao desenvolvimento da autonomia e do espírito de liderança no aluno.


O preenchimento do calendário é feito pelas crianças com a mediação da regente. A turma indica o dia em que se está e o ajudante do dia marca com um X. O grupo acompanha o registro e em seguida conta os dias que faltam para o final de semana, verifica se há algum evento previsto no Calendário, se algum colega faz aniversário ou algum outro fato relevante. Esta atividade visa à construção da noção de tempo, bem como trabalhar a contagem e a identificação dos números.


A chamada dos alunos é feita com a regente ou o ajudante do dia apresentando um crachá à turma e a criança a qual este se referir recolhendo-o e colocando-o no quadro de chamada. Esta atividade visa a fazer com que a criança reconheça as letras do seu nome e a quantidade de crianças presentes na sala, percebendo quem faltou.


A contagem do grupo consiste em contar o número de meninos e de meninas, realizando algumas operações com estes números (quantas crianças há?, quantos meninos a mais que meninas há?) e registrando o resultado no quadro. Esta atividade visa a trabalhar noções de quantidade, contagem e identificação de números.


A verificação das condições climáticas se dá pedindo às crianças que olhem pela janela e observem se o dia está ensolarado, nublado ou chuvoso, anexando ao mural do tempo uma ilustração que simbolize esta condição. Esta atividade visa a desenvolver a noção de temperatura e de vestimenta adequada ao clima.


A organização do planejamento diário compreende a fixação das plaquetas que representam as diversas atividades do dia no painel da sala de aula. Ao fixar cada plaqueta, a regente cria expectativas ou disserta sobre o que vai ser feito naquele dia em cada momento. Esta atividade visa a dar à criança uma previsão do que vai acontecer ao longo da tarde, orientando-a no espaço escolar.


Então, a regente dá início à assembleia.


 


ASSEMBLEIA


Neste momento, numa roda de conversa, as crianças podem trocar idéias, falar sobre suas vivências, construir conhecimento acerca de diversos códigos e linguagens, discutir acerca dos projetos trabalhados no grupo.


Com as crianças ainda sentadas em roda, a regente dá início à discussão sobre algum assunto relacionado ao Tema de Investigação em andamento, oportunizando o diálogo, a troca de experiência e de saberes. Cada criança é desafiada a participar do processo, expressando suas idéias sobre o assunto, emitindo suas opiniões e sua forma de ver o mundo que a rodeia.


Ao falar e escutar, as crianças experimentam a coletividade e também compreendem a necessidade de buscar formas para resolução de conflitos que surgem no interior da turma. Cabe à regente “fazer a ponte” entre perguntas e respostas, escutar e reconhecer cada opinião, possibilitando as crianças expressarem suas opiniões da melhor maneira possível e considerarem com atenção a opinião dos colegas.


 


ATIVIDADES DIRIGIDAS


Estas atividades buscam chamar a atenção das crianças para algum elemento novo que possibilite a construção do conhecimento. As atividades se relacionam aos diversos eixos da aprendizagem, conforme o planejamento elaborado pela regente, sendo apresentadas às crianças de forma lúdica.                    


Ao elaborar seu planejamento quinzenal, a regente define, entre outros itens, as atividades dirigidas que realizará ao longo daquela quinzena. Cada atividade poderá consumir um ou mais dias letivos e resultará em um ou mais registros — individual ou coletivo, no formulário apropriado ou em outro suporte, material ou imaterial.


Antes de iniciar a atividade, a regente orienta sua auxiliar de como irá desenvolvê-la, e ambas organizam o espaço, dispondo as crianças de forma adequada (individualmente, em pequenos grupos ou no grande grupo).


Ao conduzir a atividade, a regente percorre três etapas: incentivação, vivência e registro.


Encerrada a atividade, as crianças auxiliam na reorganização do espaço utilizado.


 


RECREAÇÃO


A brincadeira é, por excelência, um meio para elaboração e re-elaboração do conhecimento pela criança; é um processo essencial para aprender acerca de seu entorno. Brincar é uma forma de ação cognitiva, na qual, por meio das ações, dos sentimentos e das trocas comunicativas, a criança abstrai, interpreta e entende a realidade.


Os momentos de recreação acontecem ao ar livre — parquinho, miniquadra, jardim. Em dia de chuva, altera-se o local para a sala de vivência, a recepção ou, até, a própria sala de aula.


No horário estabelecido, a regente solicita às crianças que organizem seus materiais nos devidos lugares e se preparem para sair. Paralelamente, a auxiliar de regência enche as garrafinhas de água dos alunos e as coloca numa cesta, para levar.


Então, regente e auxiliar se dirigem com as crianças ao espaço determinado, acompanhando-as na descida da escada — a regente fica no início da fila e a auxiliar no final. Dependendo da atividade e da turma, a auxiliar de Coordenação pode também acompanhar.


Lá chegando, regente e auxiliar se posicionam em pontos estratégicos para que tenham visão conjunta do grupo, devendo interagir com as crianças nas brincadeiras e mediando a resolução de possíveis conflitos.


Durante a atividade, as crianças realizam brincadeiras propostas pela regente e também brincam livremente. Se no parquinho, a regente permite que as crianças explorem todos os brinquedos disponíveis (escorregador, balanço, gira-gira,...); se em outros ambientes, os brinquedos apropriados — quer já estejam no local (como cestas de basquete na miniquadra) ou para lá sejam levados (como blocos de montar).


No caso de uma criança desejar ir ao banheiro, a auxiliar a acompanha.


Ao término da recreação, as crianças organizam o espaço que utilizaram. Então, a regente se dirige com as crianças ao local da próxima atividade; a auxiliar conclui a organização do espaço utilizado.


 


LANCHE


O momento do lanche atende às necessidades nutricionais das crianças, bem como necessidades psicológicas e sociais: sentir prazer durante uma refeição, partilhar e trocar alimentos com colegas, aprender a cuidar do alimento com independência.


Antes e após as refeições, se dá a higiene, que visa fazer com que as crianças adquiram hábitos que preservem a boa saúde — lavar as mãos antes de lanchar, escovar os dentes após lanchar. 


Na última semana de cada mês, a nutricionista do Kids revisa o cardápio do lanche das semanas do mês seguinte, enviando à Coordenadora Administrativa, a qual, semanalmente insere no site o cardápio da próxima semana.


O lanche é preparado pela merendeira a partir das 11h30. Usando touca, avental e luvas, a merendeira prepara o que o cardápio estabelece para o dia e, no horário determinado, arruma as bandejas por turma — põe mantimentos, utensílios (copos, pratos, potes) e colheres conforme o número de alunos da turma que optam por este serviço.


As crianças dirigem-se ao lavatório com suas necessaires acompanhadas pela regente e pela auxiliar. Lá, lavam as mãos e enxugam com sua toalha.


Então, as crianças, sempre acompanhadas da regente e da auxiliar, dirigem-se ao refeitório. Regente e auxiliar põem touca e a auxiliar, que manuseará os alimentos, também põe luvas.


Enquanto as crianças esperam sentadas às mesas e acompanhadas pela regente, a auxiliar busca a bandeja de lanche de sua respectiva turma na cozinha, a qual lhe é entregue pela merendeira pela abertura da porta da cozinha.


Neste ínterim, a regente e as crianças cantam a “música do lanche” e em seguida agradecem a refeição. Retornando a auxiliar com a bandeja de lanches, regente e auxiliar servem as crianças, auxiliando-as e incentivando-as. Nas turmas do Maternal III em diante, os ajudantes do dia também ajudam.


Ao terminar o lanche, regente, auxiliar e crianças organizam a mesa em que lancharam, jogando utensílios descartáveis, papéis e sobras de lanche no lixo. A auxiliar passa um pano na mesa. A zeladora termina a limpeza e varre o chão.


 


HIGIENE


Maternal I e II. A higiene dos alunos deste grupo compreende: lavar as mãos antes do momento da fruta e do lanche, escovar os dentes após o lanche, uma vez por semana, e trocar a fralda, quando necessário.


A lavação das mãos das crianças do Maternal I é feita pela regente ou pela auxiliar, apenas com água corrente. Já as crianças do Maternal II vão ao lavatório com a regente ou a auxiliar, que acompanha a operação, ajudando, se necessário.


Se a atividade anterior tiver sujado bastante as mãos das crianças — mexendo com argila, por exemplo —, regente e auxiliar ajudam as crianças a lavar as mãos com sabonete.


A escovação dos dentes é feita uma vez por semana. Neste momento, para as crianças do Maternal I, a regente ou a auxiliar coloca o creme dental na escova e realiza a escovação individualmente. Já para as crianças do Maternal II, a regente ou a auxiliar coloca o creme na escova e auxilia a criança durante a escovação. Percebendo que a escova está imprópria, a regente solicita, via agenda, nova escova.  


A troca da fralda das crianças se dá no trocador, onde regente ou auxiliar, usando luva, arruma fralda, creme antiassadura e lenço umedecido da criança a ser trocada. Após deitar a criança, retira a fralda usada, realiza a higiene com o lenço umedecido, passa creme e coloca a nova fralda. Em seguida, recoloca a roupa, ou, se necessário, troca.  


Os alunos do Maternal I podem terminar o ano ainda usando fralda. No Maternal II, a regente deve perceber quando a criança está em condições de não usar mais a fralda e propor aos pais um trabalho conjunto objetivando “desfraldar” a criança. Ao final do Maternal II, nenhuma criança deve estar usando fralda.


Maternal III em diante. A higiene dos alunos deste grupo compreende: lavar as mãos antes do momento da fruta e do lanche, escovar os dentes após o lanche, uma vez por semana,  e limpar-se após ir ao banheiro.


A lavação das mãos é feita com a regente levando toda a turma ao lavatório e, sob sua orientação, cada aluno lavando suas mãos apenas com água corrente.


A escovação dos dentes se dá uma vez por semana, à medida que os alunos vão terminando o lanche. Assim, em pequenos grupos, os alunos, acompanhados da auxiliar — para a regente continuar com os que ainda lancham —, ou vice-versa, pegam seu nécessaire (com escova de dente e toalha) e se dirigem ao lavatório. Quem estiver com as crianças as orienta e as auxilia, e procura manter a ordem, evitando brincadeiras inadequadas. Percebendo que a escova está imprópria, a regente solicita, via agenda, nova escova.                               


No início e no final da tarde, os alunos são convidados a ir ao banheiro. Também ao longo da tarde, sempre que tiver necessidade, o aluno pode pedir para ir ao banheiro. Indo, a auxiliar o acompanha. Após fazer suas necessidades, a criança do Maternal III é ajudada a fazer sua higiene pessoal pela auxiliar.


Tem-se como objetivo que o aluno, ao final desta série, adquira autonomia para fazer sua higiene pessoal sozinho, de modo que, a partir do 1º Período, a auxiliar deve apenas verificar se a criança limpou-se adequadamente. Evidentemente, pode ser que a auxiliar tenha de intervir.


Após o lanche, a merendeira lava os utensílios, colheres e bandejas.


Ao saírem do refeitório as crianças realizam a higiene, com auxílio e orientação da regente e da auxiliar.


Na sala de aula, durante o momento livre, enquanto a auxiliar acompanha as crianças, ou durante as aulas com especialistas, a regente anota na agenda como foi a aceitação do lanche por cada criança. 


As opções são se comeu tudo, mais da metade ou menos da metade ou se não aceitou o lanche.


 


HORA DA LEITURA 


Nesta atividade, as crianças são convidadas a relaxar ouvindo histórias. Assim, busca-se despertar o gosto e o prazer pela leitura.


Esta atividade tem a finalidade de promover um momento de relaxamento.


Para tanto, as crianças podem ficam na sala de aula, sentando-se em almofadas próximas à regente ou espalhadas pela sala, ou podem se dirigir à biblioteca ou ainda se deslocarem até uma ilha.


Estando as crianças ajeitadas, a regente apresenta uma história — contando, lendo, interpretando ela mesma, ou pondo um CD para as crianças ouvirem ou...


Esta história pode ser de diferentes gêneros (contos, poesias, músicas, receita, etc.), mas sempre adequada à faixa etária da turma.


Nas turmas do Maternal I esta atividade propicia que as crianças durmam. Já nas outras turmas, as crianças não dormem durante a atividade, exceto, eventualmente, no início do ano, alunos do Maternal II.


 


MOMENTO DA FRUTA 


O momento da fruta tem como objetivo despertar nas crianças o hábito de consumir frutas variadas.


As frutas são preparadas pela merendeira. Usando touca, avental e luvas, a merendeira prepara a bandeja com as frutas que forem definidas para o dia — normalmente, frutas da estação.


Preparar a bandeja é pôr a quantidade necessária de frutas (lavadas, cortadas, com ou sem casa, conforme o caso) e de utensílios (facas, potes e guardanapos, conforme o caso).


As frutas vão basicamente de duas maneiras: inteiras, com casca (banana, goiaba, laranja, maçã, pêra e tangerina), cortadas em cubo, sem casca (mamão, manga, melancia e morango).


No horário desta atividade, a auxiliar de regência, de luvas e touca, busca as frutas de sua respectiva turma na cozinha, a qual lhe é entregue pela merendeira pela abertura da porta da cozinha, levando-as para o local definido pela regente. Leva uma tigela para pôr as cascas, se for o caso.


A regente apresenta as frutas às crianças, de maneira a despertar a vontade destas em experimentá-las ― criando antecipadamente expectativas em relação a fruta que será consumida no dia.


Para tanto, a regente prepara a fruta com as crianças — descasca a maçã para a criança ou, se for possível, a faz descascar a tangerina — e a degusta com a criança. Orienta as crianças a pôr as cascas, se for o caso, na tigela.


Após o consumo, a auxiliar joga as sobra no lixo e devolve a bandeja e os utensílios à merendeira.  


 


MOMENTO LIVRE 


A manipulação de materiais, a imaginação, a exploração de circunstâncias vividas ou imaginadas, quando a criança torna-se capaz de não só imitar a vida como também de transformar e aprender a lidar com o mundo, constituem-se os fundamentos do momento livre.


Como o próprio nome diz, o momento livre — a última parte da rotina diária das turmas da Educação Infantil — deve ser um momento conduzido pelas crianças. Há situações, expressas mais adiante, que exigem outro encaminhamento.


No momento livre, os materiais na sala de aula são organizados pela regente e auxiliar de maneira que a criança por si só ou em pequenos grupos decida a brincadeira — de casinha, desenho livre, com massinha, jogos, dança... Neste momento, as situações acontecem com o desejo e o combinado entre as crianças.


A regente poderá intervir na coordenação das brincadeiras quando sentir que seja necessário, e até integrar-se como participante.


Enquanto as crianças estão brincando, a regente, sempre atenta aos alunos, recepciona os pais que vêm buscar seus filhos, atendendo-os em suas pequenas questões.  Se pressentir que a conversa vai demorar, explica que o momento não é o adequado, e informa seus dias e horários disponíveis.


No entanto, há turmas cujo perfil não permite que, desde o início do ano, as crianças fiquem completamente à vontade. Nestas turmas, inicialmente, a regente propõe atividades e as dirige mais efetivamente. É importante que se perceba que, ao longo do ano, a regente deve buscar se aproximar da concepção mesma da atividade — ou seja, deixar as crianças brincando livremente.


Estas atividades devem ser tais que possam ser interrompidas a qualquer momento com a saída de um dos participantes. Por exemplo: roda cantada, desenho livre, ovo choco, detetive, brincadeiras explorando os sentidos.


Há ainda ocasiões em que, mesmo que cotidianamente a turma brinque à vontade neste momento, seja necessário que a regente conduza as atividades. Um dia em que as crianças estejam particularmente irritadas, por exemplo.


Às 18 h, a regente se despede das crianças remanescentes, encerrando o dia e deixando-as com a auxiliar.  


 


HORA DO SONINHO


Nesta atividade, as crianças ouvem histórias contadas pela regente ao som de uma música suave, relaxando.


Esta atividade ocorre com as turmas do Maternal I, com a finalidade de promover um momento de descanso.


Para tanto, a auxiliar, com a ajuda das crianças, coloca os colchonetes no chão.


Então, a regente solicita às crianças que se deitem e põe uma música suave, fazendo com que as crianças relaxem.


O período do “soninho” terá cerca de 30 minutos. Embora a necessidade de sono varie de criança para criança, após este período a regente troca a música por uma mais “agitada”, e acorda as que estiverem dormindo, para que se integrem aos colegas.


No final da atividade, se algumas crianças ainda estiverem dormindo e outras já estão irrequietas, a regente deixa a auxiliar cuidando das que estão dormindo e sai com as demais para outro espaço no prédio, para realizar a atividade seguinte. Nunca se pode deixar uma criança dormindo sozinha.


Enquanto as crianças ficam com a regente, a auxiliar guarda os colchonetes e arruma a sala.